SEXUALIDADE


É LÍCITO O SEXO ANTES DO

CASAMENTO?

 

Um questionamento lícito para cristãos sinceros, cuja resposta muitas vezes é negada em razão do medo ou até mesmo da falta de preparo, que impedem um entendimento bíblico e sem hipocrisias, sobre o assunto.

 

sexualidadeA sexualidade é uma questão emblemática com a qual, por menos que queiram, pastores e líderes evangélicos têm de enfrentar, por força de suas responsabilidades. Algumas vezes, existe compreensão a respeito. Outras, infelizmente, apenas evitação ou respostas que não satisfazem aqueles que são os mais necessitados de informações.

O que se vê, com mais freqüência, nas igrejas, são posições extremadas. Ou se trata o assunto como um tabu; ou se confunde liberdade com permissividade – duas maneiras de deformar as informações e de, por via de conseqüência,  privar as pessoas de uma consciência saudável a respeito.

Tratar a questão como tabu significa dar a ela os mesmos contornos dados e repassados pela tradição, que é sempre ditada pelas normas morais do grupo cultural, o que, em nossa sociedade, consiste pura e simplesmente em dizer que é transgressão e pecado, que assim deve ser considerado e punido.

Confundir liberdade com permissividade, por outro lado, implica em aceitar o descompromisso, o sexo casual, a transa, para sermos mais explícitos, como meras manifestações de humanidade, banalizando algo que deve ser lindo, porque divino, em promiscuidade e falta de caráter.

Os cristãos sabem que Paulo ensinou “que todas as coisas são lícitas (...) mas nem todas convêm”. Saber a letra, no entanto, nem sempre implica em entender e vivenciar o espírito da letra.

Já dizia o antigo filósofo que a virtude está no meio (in medio virtus), o que, numa linguagem cristã implica em temperança e ausência de extremismos, algo muito fácil de ser dito, mas muito difícil de ser praticado.

 

O QUE FAZER, ENTÃO?

 

Creio que, em primeiro lugar, desmistificar a noção de que o casamento no cartório ou na igreja CONSTITUI o casamento bíblico. O que significa dizer que muitas pessoas casadas no papel e diante do pastor ou do padre podem não estar biblicamente casadas, vivendo apenas uma conveniência ou uma hipocrisia, se não existe ingredientes como o amor e o respeito, por exemplo.

E, em segundo e não menos importante lugar, assimilar a verdade cristalina de que o casamento bíblico é aquele no qual o homem e a mulher deixam seus pais e passam a viver uma vida em comum, onde exista: amor, compromisso, fidelidade, lealdade, entrega, temperança, compartilhamento, capacidade de perdão, isso tudo diante de Deus e dos homens.

E, para ter um casamento desses é necessário renovar-se a cada dia, investir no relacionamento a cada dia, perdoar a cada dia, doar-se a cada dia e compreender a cada dia.

Se isso acontecer, a pergunta deve deixar de ser  se o sexo é para antes ou depois do casamento e passar a ser se o compromisso que existe entre os parceiros é biblicamente fundamentado ou não.

Sexo com amor e como compromisso de vida já é o casamento bíblico, em si.

Não importa se seja antes ou depois o casamento formal.

 

Antônio Tadeu Ayres

 

 

publicado por Antonio Tadeu Ayres às 15:56